segunda-feira, novembro 27, 2006

Celso Daniel

Sensacional a declaração de promotor de Justiça se Santo André, Sr. Roberto Wider Filho. Ele afirma que não houve crime político no assassinato de Celso Daniel: "... a motivação foi crime comum, que Daniel foi morto por um desarranjo de uma quadrilha da qual o próprio prefeito participava".

Ora, mas tal quadrilha roubava o quê? Até onde se saiba, havia desvios de recursos públicos com objetivo de financiar campanhas do PT. O prefeito participava por ser prefeito; o dinheiro deveria ir aos cofres do partido do prefeito. E o promotor diz que não houve motivação política?!

Sinceramente, não sei se sou eu ou o mundo que está ficando idiota...

P.S.: A matéria com a declaração está publicada na Folha de São Paulo, de 27 de novembro de 2006.

2 Comments:

Anonymous Evandro Oliveira said...

Sancho,

Não resisti...

Antes de declarares um completo idiota funcional, procuras ver a diferença entre crime de motivações políticas e crime de motivações dita "comuns" como declara o promotor.

aí verás que o mundo não está tão idiota assim!

02 dezembro, 2006 06:51  
Blogger San Tell d'Euskadi said...

Evandro,

A, digamos, quadrilha agia em Santo André devido a conivência do prefeito. Eu ouvi da boca do promotor de justiça de Santo André, em entrevista, que o assassinato estaria ligado ao fato de que o Celso Daniel - descontente com o fato de que o dinheiro não estaria chegando no destino combinado, isto é, os cofres do partido, mas nos bolsos da turma - teria externado o interesse de acabar com a "brincadeira".

Tem-se desvio de dinheiro público em favor de um partido político, um assassinato de prefeito conivente com a corrupção, mas descontente com os fins da atividade criminosa. Definitivamente, não se trata de crime por motivações ideológicas, mas por disputa de espaço dentro do Estado. Isso não é política?!

Um abraço.

02 dezembro, 2006 14:44  

Enviar um comentário

<< Home